sexta-feira, 2 de setembro de 2011

O fingimento da fuga

Aproveita a areia da praia a introduz a cabeça da areia, tal e qual uma avestruz.
Aproveita e escava um túnel bem profundo, de onde jamais possas sair, acomoda-te, aproveita o silêncio e a escuridão. Apenas assim te será permitida uma fuga, porque ninguém terá vontade de te seguir, no entanto, não esqueças: O que sentimos no peito (e na mente) permanece connosco, e não dá lugar ao fingimento, por isso, continua de cabeça enterrada na areia, com o corpo submerso no túnel escuro... Finge a felicidade, o sorriso e a luz, vive do fingimento dos dias em que acreditas...
Se quiseres, empresto-te uma lanterna!


2 comentários:

Briseis disse...

Tantas vezes dá vontade de fazer isso mesmo... Tantas!
Obrigada pela lanterna... por pequena que seja a luz, chega para dissipar fantasmas e visualizar o caminho que conduz ao fundo do túnel. =)

Utópico disse...

Ainda que se pense que sim. fingir assim não trás felicidade,a menos que exista alguém que nos mostre que não precisamos do fingimento para nada.

Não há nada melhor do que sermos nós próprios, se gostarem de nós assim, tanto melhor, se não gostarem... paciência.